Desaceleração da indústria automóvel não é nem pelo diesel nem pelos elétricos

by on 6 Novembro, 2019 in Frotas

Desaceleração da indústria automóvel não é nem pelo diesel nem pelos elétricos

Quem o afirma é o World Economic Outlook, o estudo feito pelo Fundo Monetário Internacional. No que se refere ao setor automóvel, “este baseia-se muito na atividade e no crescimento da produção”, comentou Milesi-Ferretti, diretor adjunto do departamento de pesquisa do FMI, na recente divulgação do estudo.

Na análise do FMI, no ano passado assistiu-se a uma diminuição na produção automóvel, pela primeira vez desde a crise global. O FMI acredita que essa queda na produção, foi responsável por mais de um quarto da desaceleração da economia global entre 2017 e 2018.

Delphine Strauss do Financial Times recorda-nos que “a indústria automóvel afeta a economia global muito mais do que se pensa: as construtoras automóveis têm longas cadeias de fornecimento para adquirirem peças e componentes; são grandes consumidores de matérias-primas e produtos químicos, têxteis e eletrónicos; e sua performance afeta milhões de empregos no setor de serviços em vendas, reparação e manutenção”.

O setor também foi responsável por até um terço da desaceleração do crescimento do comércio global entre 2017 e 2018, informou o FMI, depois de considerar os efeitos colaterais no comércio de peças de carros e outros bens intermediários.

Milesi-Ferretti observou que em muitos países da Europa, os consumidores adiaram as compras devido à incerteza sobre as motorizações dos veículos, bem como a interrupção de algumas linhas de produção causada pela tardia homologação dos novos testes de emissões na Europa (WLTP), tiveram um impacto notório no mercado mas muito menos significativo do que o noticiado.

O FMI aponta três grandes “culpados” para a desaceleração: a China, a Índia e os EUA. A começar pela China, as retaliações comerciais dos EUA produziram grande parte da adversidade do setor, em particular por ter causado uma forte desaceleração do mercado chinês que, por sua vez, implicou no declínio da produção automóvel global. As mudanças políticas na China – incluindo a retirada de incentivos fiscais que incentivavam a propriedade de automóveis e a restrição aos empréstimos – também tiveram um grande impacto.

Na Índia, as vendas de automóveis caíram drasticamente devido a problemas no setor bancário paralelo – responsável por cerca de metade do financiamento de carros novos; enquanto a recessão na Turquia e a incerteza relacionada com o Brexit no Reino Unido, também desaceleraram as vendas em outros grandes mercados.

No geral, as vendas de automóveis caíram cerca de 3% em 2018 e a produção de carros cerca de 2,4%, diz o estudo do FMI.

Apesar de tudo, a previsão do FMI é de um crescimento modesto do comércio global em 2020, que poderá alavancar a recuperação do setor. Mas sua análise também destacou o potencial de mais danos, se o setor se tornar a próxima vítima da crescente guerra comercial entre os EUA e a União Europeia. Teremos de esperar até 13 de novembro, para saber se os EUA irão impor ou não uma tarifa de 25% sobre as importações de automóveis.

Print article

WP to LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com