Kia Picanto – citadino vocacionado para as PME’s

by on 14 Junho, 2017 in Frotas

Kia Picanto – citadino vocacionado para as PME’s

O segmento dos carros citadinos vale 6,6% das vendas totais das vendas de automóveis ligeiros em Portugal.

Interessada em aumentar a sua quota de mercado, a Kia também quer ter uma palavra a dizer em termos de viaturas urbanas e, neste sentido, lançou a nova geração do modelo Picanto com evoluções significativas em termos de imagem, espaço, performance e auxílios à condução.

O novo Picanto quer marcar a diferença da Kia face aos modelos citadinos da concorrência, disponibilizando mais espaço interior, maior volumetria na bagageira, melhor desenho do tablier, motorizações de baixo consumo e maior performance, recursos tecnológicos de um segmento superior, e um preço atrativo, a começar nos 12.200 euros na versão de base e, no topo da gama, a versão GT Line, com um preço ligeiramente acima dos 14 mil euros.

Mais leve do que a anterior geração, mais espaçoso e com opção de até 11 diferentes cores, o novo Kia Picanto poderá vir a ser uma alternativa para as frotas urbanas de pequena dimensão, onde a inovação do modelo, capacidade da bagageira, equipamentos à bordo, despesas de manutenção e garantia de fábrica, contam cada vez mais na equação dos custos de mobilidade urbana, de uma pequena ou média empresa.

Alguns equipamentos – de série dependendo da versão – são um “plus” e podem pesar na hora da escolha. Por exemplo, a câmara de visão traseira; o ecrã deslizante de 7”; sistema Bluetooth; ar condicionado; comandos no volante; vidros elétricos à frente e atrás; retrovisores com regulação elétrica; volante e alavanca de velocidades em peles, entre outros, estão disponíveis mesmo nas versões de base, 1.0 67 CV LX e 1.0 67 CV MX.

A Revista Automotive esteve na apresentação do Kia Picanto, para um primeiro contacto com a nova geração deste modelo que, em todo mundo, já conta com mais de 1,4 milhão de viaturas vendidas. Continua a ser um citadino de cinco portas, com cinco lugares; conta com uma carroçaria monobloco totalmente em aço. As versões à venda, estão equipados com motores a gasolina de três e quatro cilindros; com tração dianteira e caixa manual de cinco velocidades ou automática de quatro velocidades, conforme o modelo.

João Seabra, diretor geral da Kia em Portugal, já havia dito em Genebra que a marca quer crescer nas vendas ao mercado empresarial, mas que, para isso, ainda terá de ultrapassar a barreira psicológica do curto historial da marca e do baixo valor comercial no nosso país. Contundo, também tem argumentos de peso, sobretudo para as PME’s, entre os quais, o facto da marca comercializar os seus produtos com uma garantia de 7 anos ou 150 mil km, onde o novo Picanto, também se insere.

Print article