Alfa Romeo Giulia – entre os números e os nomes

by on 4 Dezembro, 2019 in Ensaios / Assessment

Alfa Romeo Giulia – entre os números e os nomes

A Alfa Romeo reposicionou o seu modelo Giulia para o mercado frotista em Portugal, sendo uma das versões mais equipadas o modelo Turbo Diesel 190cv B-Tech AT8 RWD. Esta denominação técnica inclui muitos números, e curiosamente, o predecessor do Giulia também era um número – o Alfa Romeo 159. A marca italiana decidiu “humanizar” mais os seus modelos, passando então dos números aos nomes, sendo o modelo para o segmento D, agora denominado como Giulia (Julia em italiano).

Para realizar o assessment do Giulia Turbo Diesel 190cv B-Tech AT8 RWD, convidámos Catarina Aniceto, Stock Analyst da maior rede de hipermercados em Portugal. Catarina Aniceto conta-nos que no seu trabalho diário, uma das suas funções “é passar dos nomes aos números, ou seja, a análise permanente dos stocks. Esse trabalho exige uma certa abstração do nome dos produtos, para uma visão muito analítica dos números e stocks, nas centenas de lojas que as nossas insígnias têm em Portugal e seus respetivos entrepostos.

Mas passando então à avaliação deste carro, digo desde já que a Alfa Romeo é uma das marcas que mais gosto, porque têm uma preocupação estética, no desenho dos seus carros, no requinte das linhas, na escolha dos materiais, e num visual que não é demasiado chamativo, mas, ao mesmo tempo é apelativo ao olhar. A estética, o design dos carros é para mim um fator-chave na escolha de um modelo, e logo à partida este modelo Giulia preenche bem esse requisito – é muito bonito.

A bela e a fera

Assim que entro no carro posso dizer que também ele é belo por dentro. Apresenta umas linhas agradáveis no tablier, materiais de qualidade, denotando que é um carro executivo, mas sem perder o estilo, aquele estilo italiano, o “algo mais” que os italianos conseguem colocar naquilo que fazem.

Este Giulia dispõe da função keyless e o botão de ligar o motor está posicionado no volante. É um detalhe diferenciador e que fica bem. Gosto da dimensão do volante, tem o tamanho ideal e transmite uma boa sensação de segurança, para as mãos. O ecrã central está muito bem enquadrado no tablier e pode ser configurado de várias maneiras, sendo toda a parte do infotainement muito intuitiva.

Nos primeiros segundos de condução dá logo para perceber um grande conforto a bordo. Gosto de conduzir um carro com o banco mais baixo, mas se fizer isso em alguns modelos, perco a visibilidade necessária para conduzir em segurança. Neste caso do Giulia, isso não acontece. Os bancos adaptam-se muito bem ao meu corpo e a ergonomia da posição de condução é excelente bem como a visibilidade, interior e exterior.

Estrada afora

Por norma faço todos os fins-de-semana cerca de 500 quilómetros, por isso o conforto do carro é fundamental na minha vida. Por vezes, durante a semana, também tenho de ir ao Porto onde é a nossa sede, e se o carro não for confortável a viagem parece bem mais longa do que realmente representa. Também tenho uma utilização citadina do carro, e por isso valorizo um modelo que se “mexa” bem em ruas mais congestionadas. Este carro tem esse à vontade em cidade, conjugado com o conforto, onde a suspensão absorve bem as irregularidades do piso, mesmo tendo em conta que vem equipado com umas jantes desportivas e uns pneus de perfil mais baixo.

Prezo muito a resposta do motor. Um carro tem de ter potência. Este Giulia dá-me segurança nesse aspeto, tem uma boa capacidade de resposta, e acompanha aquilo que desejo. Aspeto importante – trava muito bem também! Temos também a opção de gerir a caixa de velocidades através das patilhas posicionadas junto ao volante, para quem queira uma condução mais desportiva, mas eu prefiro a gestão automática do carro.

Habituei-me a este carro muito mais rápido do que estava à espera. Normalmente não gosto de carros com mudanças automáticas, mas esta caixa automática funciona muito bem. É muito natural habituarmos à sua condução até pela envolvência do interior e da rapidez com que encontro aquilo que preciso. É um carro que se deixa conhecer, que não exige muito do condutor. Só precisamos de usufruir do seu interior, e da sua performance.

Performance

Gostei do facto de poder mudar o modo de condução, mesmo em andamento (Eco, Normal e Sport). Em modo sport sinto diferença na reatividade do motor (é mais rápida) e, mesmo quando assumimos uma velocidade mais altas, senti muita segurança e insonorização na condução deste modelo Giulia. Valorizo a insonorização a bordo, porque já conduzi modelos deste segmento onde parecia que o vento estava a circular livremente dentro do carro! É muito natural ultrapassarmos por instantes os limites de velocidade, porque a segurança a conduzir é de tal ordem, que não nos apercebemos da velocidade que vamos. No entanto, dispomos de uma boa visualização da velocidade, no painel de instrumentos, que é um misto de painel digital e analógico.

Gostei de utilizar o cruise control que, para além de ser adaptativo, é muito fácil de acionar. No entanto, não gostei do sistema lane assist, visto tem um aviso sonoro incomodativo, sempre que nos aproximámos ou quando transpomos a faixa de rodagem.

O Alfa Romeo Giulia é um modelo executivo bastante versátil, que prima pelo conforto, mas também tem as características que mais gosto nos carros deste segmento: estética, potência, velocidade, sensações de condução e principalmente a segurança.

É um carro que rapidamente conquista o seu utilizador, sejam condutores que apreciem a história da competição automóvel da Alfa Romeo ou, simplesmente, que queiram disfrutar da sua elegância, envolvência interior dinâmica de condução”, destacou Catarina Aniceto.

 

Print article