FlixBus lança as primeiras linhas expresso em Portugal

by on 26 Agosto, 2020 in Pesados

FlixBus lança as primeiras linhas expresso em Portugal

No mesmo dia em que a FlixBus anunciou estar a lançar as primeiras linhas expresso em Portugal, a Revista Automotive estava com Francisco Miguéis responsável operações de transportes da FlixBus Portugal, para o entrevistar.

Francisco Miguéis fez-nos uma contextualização da empresa, o trabalho realizado para se conseguir lançar as primeiras linhas expresso em Portugal, bem como os obstáculos superados pela FlixBus em contexto de pandemia:

“A pandemia de Covid19 provocou algumas restrições ao nosso plano de expansão nacional, tivemos que nos reinventar e adaptar a uma nova realidade, tanto do ponto de vista operacional, como dos procedimentos internos, para garantirmos a máxima segurança dos passageiros.

O reinício de operações em todos os países obedeceu a um plano estratégico global, desenvolvido na sede da FlixBus na Alemanha, que depois foi implementado em cada país, em conjunto com os parceiros locais, como foi o caso de Portugal.

Este plano estratégico contempla medidas a curto, médio e longo prazo. Alguns exemplos passam desde a limpeza e desinfeção dos autocarros com maior frequência e incidência em certos pontos, até à intensificação do plano de manutenção das viaturas – troca de filtros do ar condicionado, entre outros. Introduzimos também por iniciativa própria da FlixBus, equipamentos de proteção dos motoristas nos autocarros, como divisões em acrílico, por exemplo.

Implementamos desde o início da pandemia vários procedimentos, que apesar de não serem orientações da Direção Geral de Saúde de Portugal (DGS), vão de encontro aos mais altos padrões de mitigação da propagação do Covid19. Vamos para além do que é o estritamente necessário em Portugal, onde nos regemos por padrões Alemães no que concerne à saúde e segurança dos nossos passageiros e dos nossos parceiros.

Aqui foi muito importante a coordenação de todas as equipas da FlixBus em procurar soluções, porque os fabricantes dos autocarros não nos apresentaram nada em concreto.

Dos fabricantes que a FlixBus trabalha a nível ibérico, posso afirmar que não tive nenhuma iniciativa a propor alguma solução. Todas as medidas implementadas nos nossos autocarros foram estudadas pela FlixBus na sua sede, em coordenação com cada país.

Não queremos de forma alguma sobrepor-nos ao trabalho dos fabricantes de autocarros com quem temos uma boa relação, mas quando o assunto é segurança e saúde, a FlixBus não espera. Estuda, avalia e implementa. Agora já começamos a ver alguns fabricantes com soluções, mas já se passaram vários meses desde o início da pandemia.

Lançamento das linhas expresso em Portugal

A FlixBus entrou em Portugal no final de 2017 e começamos a operar no início de 2018 com duas linhas fundamentais (Lisboa-Porto). Em seguida expandimos para o mercado internacional com ligações Portugal-França, entre outras.

O ano de 2019 foi o nosso primeiro ano consolidado em Portugal, onde expandimos a nossa equipa e marcou também a minha entrada na FlixBus. Este ano de 2020 já estava planeado lançar toda uma rede doméstica no mercado Português, e assim fizemos.

Lançamos agora as linhas expresso, onde asseguramos a conexão de 9 cidades no território nacional, desde o Porto até Faro. Isto é apenas o início dos planos que a FlixBus tem para Portugal. A nossa expansão pretende ser sustentada, pelo que estamos constantemente a avaliar; quer a evolução pandémica; quer a procura por parte dos passageiros.

Como referi, já tínhamos uma ligação Lisboa-Porto, mas é muito particular e não se enquadra na definição de “linhas expresso” no contexto legislativo nacional. As “linhas expresso” fazem parte agora de um mercado liberalizado, onde a FlixBus se posiciona na dianteira.

Modelo de negócio FlixBus

Apesar de sermos uma multinacional, o nosso modelo de negócio assenta numa parceria com empresas locais, no sentido de promover as economias locais. Acima de tudo queremos potenciar o know-how que essas empresas têm no mercado nacional. A FlixBus providencia todo o suporte: marketing, comunicação digital, política de preços, controlo de tráfego, controlo de operações, serviço ao cliente, entre muitos outros.

A FlixBus fornece assim, todas as ferramentas empresariais que não estejam relacionadas com a operação dos autocarros no terreno. As empresas locais operacionalizam todo o esquema montado pela FlixBus. Os autocarros são propriedade dos parceiros, mas têm de cumprir com todos os nossos standards de qualidade, como por exemplo, a norma de emissões Euro6.

Por todas estas características, temos um modelo de negócio de parceria, que é totalmente diferente de um modelo de negócio de subcontratação. Até nos lucros. A FlixBus faz a divisão de lucros com os seus parceiros, portanto estes conseguem ser mais profícuos se a oferta assim o ditar. Ou seja, o valor a ser pago é variável, diferente de um modelo de subcontratação. Os nossos parceiros crescem connosco, e nós com eles.

Preocupação com a imagem

A imagem dos autocarros é extremamente importante, a ponto de termos uma equipa específica na Alemanha denominada Creative Team, que normalizam todo os layouts das diferentes marcas de autocarros no mercado. Temos também uma equipa que estuda quais os modelos e configurações de autocarros mais adequadas para as nossas operações, com três grandes vetores fundamentais a cumprir: segurança, equipamento e conforto dos passageiros. De referir também que a FlixBus tem como máxima não trabalhar com autocarros com mais de 3 anos de idade.

Estamos presentes em vários países e temos uma liderança no mercado Alemão, mas as necessidades dos passageiros na Alemanha são diferentes das dos portugueses e fazemos diversos estudos sociológicos antes de lançar as linhas em território nacional. Essa é uma das minhas funções, realizar o acompanhamento direto junto dos nossos parceiros.

Investimento em formação

Antes de todos os parceiros iniciarem qualquer linha, todos os diretores das empresas, os seus supervisores e os seus motoristas, têm obrigatoriamente uma formação presencial comigo. Os nossos parceiros são profissionais muito experientes, por isso a formação vai mais no sentido da explicação dos procedimentos, o nosso conceito, e principalmente a forte identidade da marca FlixBus.

Temos uma plataforma digital chamada FlixUNI, onde todos os motoristas da FlixBus têm acesso, podendo aceder às diversas informações e formações atualizadas, preparadas pela nossa equipa na Alemanha – a Learning Development Team – exclusivamente dedicada ao desenvolvimento desta aplicação.

Por exemplo, esta plataforma foi extremamente importante na implementação de novos procedimentos aquando do início da pandemia deste ano. Nessa plataforma realizamos também provas aos motoristas. Posso citar o exemplo dos testes realizados aos motoristas de linhas diurnas e aos de linhas noturnas, que têm de passar com sucesso duas provas distintas, para que possam ser motoristas certificados FlixBus.

Força da imagem e acessibilidade transversal

O nosso modelo de negócio veio agitar um mercado muito tradicional e baseado em conceitos, de certa forma, ultrapassados. A isto junta-se uma imagem de marca forte. Prova inequívoca da força da imagem FlixBus é a conquista do Prémio Fleet Service Automotive na categoria “Imagem”, logo no nosso primeiro ano completo de operação em Portugal. E só conhecemos os profissionais da Automotive no jantar da entrega de prémios!

Além da imagem forte, pretendemos a acessibilidade na compra dos bilhetes de forma transversal; ou seja, online e na língua do utilizador. Com a FlixBus, o processo de compra é igual em toda a Europa. A uniformização de processos pode parecer simples, mas é uma disrupção no mercado. Outra vantagem que nos diferencia é o preço dos bilhetes. Estudamos constantemente o binómio procura-oferta e conseguimos disponibilizar preços dinâmicos.

Disrupção é bem-vinda

A relação com os nossos parceiros tem sido muito boa. A resistência à mudança não se faz sentir. Mesmo nos motoristas mais experientes, assim que explicamos todo o modelo de negócio, compreendem e motivam-se para implementarem os procedimentos e valores da FlixBus. Aliás, o fato de trabalhamos com os melhores parceiros nesta área, permite que tenhamos profissionais extremamente dedicados à satisfação dos passageiros, que é o nosso objetivo final.

A FlixBus não é um simples operador de transporte, é uma empresa de base tecnológica com uma elevada exigência, exigência essa que é fundamental para que todo o negócio tenha sucesso. O facilitismo não se coaduna com a cultura Alemã, e os portugueses, principalmente os motoristas – que são aqueles com quem mais contato – têm muito gosto em trabalhar sob os mais elevados padrões de qualidade no mercado. Este é um grande fator diferenciador.

Estamos num patamar tecnológico extremamente avançado, mas não descuramos das relações com as pessoas, que é a base. Visitamos as empresas, estejam elas em Vieira do Minho ou Faro, ministramos formação presencial aos motoristas (mesmo em tempo de pandemia – como comprova a foto acima feita neste mês, NDR.) e adaptamo-nos a cada parceiro.

Os transportes são uma indústria que vive do contacto pessoal. Podemos ter a melhor aplicação do mundo, os melhores autocarros, mas isso de nada vale se o motorista não tiver simpatia com os passageiros, não ajudá-los com as malas, e por aí adiante. No final, os motoristas são os embaixadores da FlixBus.

Preocupações ambientais

Com grandes questões a serem levantadas sobre a sustentabilidade da aviação regional, estamos na linha da frente das soluções. Podemos ser uma alternativa à aviação, mas acima de tudo – e nisso está baseada a imagem e os valores da FlixBus – somos uma solução sustentável para o ambiente.

Claro que não podemos viajar de Paris para Los Angeles de autocarro. Mas concluo esta entrevista com números bastante elucidativos: em percursos de média distância na aviação (entre cidades Europeias, por exemplo), as gramas de CO2 por passageiro, por quilómetro percorrido, totalizam 201 gramas. No mesmo percurso, com um autocarro da FlixBus esse valor é de 23 gramas.

Estes valores foram apresentados pela Agência Alemã do Ambiente (UBA) em parceria com o Instituto de Pesquisa Energética e Ambiental de Heidelberg (IFEU), para os autocarros a diesel da FlixBus. Já temos alguns percursos em teste, com autocarros elétricos e queremos ser os pioneiros na implementação de autocarros a hidrogénio no longo curso” conclui Francisco Miguéis.

 

Print article

WP to LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com